CENFIM: RVCC Profissional uma ferramenta ao dispor das empresas

15/11/2021

CENFIM: RVCC Profissional uma ferramenta ao dispor das empresas

O Centro Qualifica do CENFIM – Centro de Formação Profissional da Indústria Metalúrgica e Metalomecânica – Núcleo de Sines/Grândola, tem vindo a desenvolver, uma atividade intensa em matéria de desenvolvimento de processos de Reconhecimento, Validação e Certificação de Competências Escolares, bem como do processo RVC de Competências Profissionais, em várias saídas profissionais, desde a Eletricidade de Instalações, passando pelo Comando Numérico Computorizado, ou Soldadura, contextos onde se verificam interessantíssimos números de pessoas certificadas.


O processo de RVCC Profissional destina-se a valorizar a experiência de pessoas que trabalham há alguns anos na mesma área, que fizeram aprendizagens e adquiriram competências, através do percurso profissional, mas que, todavia, não detêm um documento comprovativo desta sua vertente. Nestes casos, a formação profissional poderá não configurar uma mais valia, sendo que os adultos já conhecem os conteúdos, tornando-se desmotivante. Em alternativa, esta tipologia de processos, revela-se muitíssimo eficaz e até motivadora da procura de outros níveis de escolaridade e qualificação.


O desenvolvimento desta opção, RVCC Profissional, tem vindo a substantivar-se num forte empenhamento por parte dos sujeitos, a par de um acompanhamento muito próximo e profissional, por parte da equipa do CENFIM – Sines/Grândola, o que vem proporcionando processos com uma duração média de 6 meses.


Nestes contextos e através de alguns instrumentos aplicados pelos formadores, são reveladas as competências adquiridas, verificando-se onde o candidato poderá necessitar de formação (no sentido de colmatar algumas carências), e no final, a possibilidade da certificação através de uma prova, presidida por um Júri externo, avalisado.


É um processo que pode ser desencadeado pelo próprio candidato ou pelas próprias empresas que reconheçam estas situações nos seus colaboradores. Como processo de RVCC exige um mínimo de 50 horas de formação complementar, que se destinam, como já referido, a corrigir algumas carências ao nível de conhecimento por parte do candidato, estas horas irão concorrer para as 40 horas de formação anual obrigatória do trabalhador.


Para mais informações acerca deste processo, os interessados podem contactar o Centro Qualifica do CENFIM.